Processos

Processo mig/mag – características

MIG/MAG é a sigla de identificação dos processos de soldagem a arco elétrico que utilizam gases inertes ou mistura deles (MIG) e também gases ativos ou misturas de gases ativos e inertes (MAG) para proteger a poça de fusáo e a região adjacente a ela contra os gases da atmosfera que possam prejudicar a soldagem. Esses processos também são conhecidos pela sigla GMAW – Gas Metal Are Welding – soldagem a arco gás metal.

A principal característica dos processos MIG/MAG é a proteção gasosa que envolve a atmosfera adjacente à poça de fusão e que é proporcionada por gases inertes ou misturas deles, no caso do processo MIG, e por gases ativos ou misturas de gases ativos e inertes, no caso do processo MAG. Esses processos são utilizados para unir peças metálicas pelo aquecimento e pela fusão delas a partir de um arco elétrico estabelecido entre um eletrodo metálico nu e a peça de trabalho.

Aplicação

Os processos de soldagem a arco gás metal — MIG/MAG — prestam-se bem à soldagem de materiais com várias espessuras, ferrosos ou não ferrosos, como alumínio, cobre, magnésio, níquel e suas ligas, aços de alta resistência e aços inoxidáveis. São indicados na fabricação e manutenção de equipamentos e peças metálicas, na recuperação de peças desgastadas e no recobrimento de superfícies metálicas, podendo ser utilizados em todas as posições.

Vantagens

A soldagem MIG/MAG tem sido muito utilizada na indústria automobilística, automatizada ou não, na indústria ferroviária, na fabricação de pontes rolantes, vigas, escavadeiras, tratores.

A produtividade alcançada pelos processos MIG/MAG é alta em virtude de serem processos semi- automáticos e de admitirem a mecanização, com emprego de dispositivos de posicionamento e deslocação.

 Link Relacionado:

Soldagem – Coleção tecnológica SENAI – 1ª ed. 1997

SHARE
RELATED POSTS
Soldagem a laser – Técnicas de soldagem
Processo com arame tubular – Características
Soldagem por resistência – Parâmetros de soldagem
3 Comentários
  • Kauan Matheus Guimarães Cardoso
    setembro 6, 2019 at 10:59 am

    Olá, sou aluno do curso técnico em eletromecânica. Estou realizando uma pesquisa acadêmica e necessito esclarecer uma dúvida em relação ao tipo de corrente utilizada na soldagem MIG/MAG e TIG.
    A dúvida é a seguinte:Por que a corrente CC+ na soldagem MIG/MAG possui maior potencial de penetração e na soldagem TIG, menor penetração. Além disso, porque quando a corrente utilizada é CC-, a soldagem MIG/MAG possui menor potencial de penetração e já a TIG, maior penetração.

    • estagio
      setembro 10, 2019 at 1:45 pm

      É necessário definir termos para especificar a polaridade do processo de soldagem. A parte do circuito de soldagem que é positiva que atrai os elétrons no arco é o ânodo. A parte do circuito de soldagem que é negativa na qual produz elétrons no arco é o cátodo
      Quando o processo de soldagem é realizado no modo CC, o eletrodo MIG / MAG ou eletrodo de tungstênio pode ser positivo ou negativo. Isso resulta em um eletrodo de corrente contínua positivo CCEP ou em um eletrodo de corrente direta negativo CCEN. O CCEP também era historicamente conhecido como Polaridade Reversa por Corrente Direta ou simplesmente “Reversa”, enquanto o CCEN também era conhecido como Polaridade Direta.
      Na soldagem TIG, a divisão de calor entre o ânodo e o cátodo é significativa. Aproximadamente 2/3 do calor é gerado no ânodo positivo, devido ao choque de elétrons de alta velocidade e alta energia. O cátodo negativo não apresenta esse efeito e pode até sofrer resfriamento por emissão termiônica dependente do material. Por exemplo, o eletrodo de tungstênio é termiônico, então experimentará esse efeito de resfriamento. Por esse motivo, a polaridade CCEN é a escolha mais comum para a soldagem TIG quando a ação de limpeza do processo CCEP não é necessária. O uso do CCEP para soldagem TIG requer eletrodos de tungstênio de maior diâmetro e resfriamento a água e é mais comumente usado como apenas parte do ciclo na soldagem CA.
      O processo de MIG, no entanto, com seu eletrodo consumível, não apresenta essas preocupações. A distribuição de calor entre o eletrodo e a peça de trabalho também é diferente e não é tão fortemente controlada pela polaridade. Em particular, o movimento do material diretamente do eletrodo consumível para a peça resulta em um equilíbrio significativo do calor entre os dois pontos.
      O que é mais importante do que a distribuição de calor é o efeito da polaridade na penetração na soldagem MIG. Em geral, operar com CCEP resulta em maior penetração, e o CCEN resulta em menor penetração e redução na diluição do metal de solda com o metal base. Isso é importante para eletrodos capazes de serem usados em ambas as polaridades CC e CA. O modo CCEN é frequentemente usado em execuções de raiz aberta para reduzir o risco de penetração excessiva, enquanto o CCEP é usado para reduzir o risco de falta de defeitos de fusão. O CCEN também pode ser usado para aplicações de superfície, para minimizar a penetração e a soldagem de chapas finas. A CA também é usada como um método para reduzir o sopro do arco.
      Para soldagem MIG / MAG, DCEN e AC não são comumente usados, porque é difícil obter uma condição de pulverização estável, operando principalmente em transferência globular, o que não resulta necessariamente em uma solda aceitável. Cada vez mais, os fabricantes de equipamentos procuram desenvolver fontes de energia que possam usar essas condições. A condição CCEP também ajuda a fundir o arame devido ao choque de elétrons. Esse calor é novamente transferido para a poça de solda através da passagem de gotículas fundidas, ajudando a equilibrar o ânodo e o cátodo.

  • Admilson Virgínio
    agosto 18, 2019 at 2:15 pm

    Muito bom

Deixe seu comentário

*