Higiene e Segurança

Substituição de produto tóxico

A substituição de um produto tóxico nem sempre é possível; entretanto, quando o é, representa a maneira mais segura de eliminar ou reduzir um risco. Entre os numerosos exemplos, está a troca do chumbo por óxido de titânio e zircônio, e por sais de zinco, em esmaltes vitrificados e pinturas.

 

Como é sabido, o chumbo era usado como constituinte em esmaltes vitrificados, e tendo a propriedade de solubilizar-se em soluções cítricas (limonada) ou acéticas (vinagre), teve de ser substituído na fabricação de artigos de louça para uso doméstico. Nas pinturas, a substituição teve de dar-se notadamente na fabricação de brinquedos.

Também é um bom exemplo a substituição do quartzo granulado, em forma de jato sob pressão, usado na limpeza de peças metálicas, por granalha de aço, o que reduz de forma considerável o risco de silicoses, quando não se trata de peças fundidas em areia.

De maneira análoga, foram substituídos os sais de mercúrio, usados no tratamento dos pêlos de animais e na fabricação de chapéus de feltro, por uma mistura de água oxigenada e sulfato de sódio.

 Link Relacionado:

Soldagem – Coleção tecnológica SENAI – 1ª ed. 1997

SHARE
RELATED POSTS
Prevencionismo no Brasil
Histórico e evolução
Limitação de exposição aos riscos

Deixe seu comentário

*