Fundamentos

Tabela periódica dos elementos químicos

Há alguns casos de elementos químicos que procuram para os subníveis uma situação energética mais estável possível, apresentando irregularidades na distribuição eletrônica. Por exemplo, o cobre não obedece rigorosamente ao diagrama de Pauling.

 29Cu => 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6  4s1 3d10

A partir do séc. XVIII, trabalhos executados por Lavoisier e Dalton, entre outros, levaram ao conhecimento de um número razoável de elementos químicos e suas propriedades, surgindo a necessidade de classificá-los.

Em 1869, dois cientistas trabalhando separadamente, o alemão Julius Lothar Meyer e o russo Dimitri Ivanovitch Mendeleyev, apresentaram um trabalho de classificação dos elementos em função da ordem crescente dos pesos atômicos. Mendeleyev destacou-se por seu trabalho mais completo e audacioso, reunindo os elementos químicos de propriedades químicas semelhantes numa mesma coluna e justificava as falhas da tabela periódica fazendo previsões de novos elementos não conhecidos na época.

propriedades dos elementos químicos

Em 1913, o cientista inglês Mosely constatou que as propriedades dos elementos químicos variam periodicamente em função do número atômico. Com essa constatação, a classificação dos elementos sofreu algumas correções em termos de disposição. Em geral, as propriedades físicas dos elementos relacionam-se com a massa e tamanho do átomo, enquanto as propriedades químicas relacionam-se com a configuração eletrônica. A tabela periódica atual apresenta-se na forma compacta onde as séries dos lantanídios (com número atômico de 57 até 71) e actnídios (com número atômico de 89 até 103) são colocadas na parte inferior da tabela para proporcionar uma melhor disposição.

períodos e famílias

Na tabela periódica, os elementos químicos estão dispostos em ordem crescente de número atômico ao longo das linhas horizontais denominadas períodos. As colunas da tabela são denominadas grupos ou famílias e reúnem elementos químicos com propriedades químicas semelhantes.

 

Na tabela periódica é possível destacar três classificações dos elementos: metais, não-metais e semimetais. Os metais apresentam as seguintes propriedades: são bons condutores de calor e eletricidade; são dúcteis e maleáveis; apresentam brilho metálico; em sua grande maioria são sólidos e apresentam poucos elétrons de valência. Geralmente formam íons positivos.

Os não-metais apresentam propriedades opostas às dos metais, isto é, não são bons condutores de calor e eletricidade, não têm brilho metálico, dentre outras propriedades; os semimetais apresentam propriedades

intermediárias entre as dos metais e as dos não-metais.

 

Uma classificação muito difundida da tabela periódica divide as dezoito colunas da tabela periódica em dois grandes grupos, A e B.

O grupo A é formado pelas famílias 1 A, chamadas metais alcalinos; 2A, metais alcalino-terrosos; 3A, família do boro; 4A, família do carbono; 5A, família do nitrogênio; 6A, calcogênios (chalcogênios); 7A, halogênios e 8Aou 0, gases nobres ou inertes.

elementos representativos

As famílias do grupo A, denominadas elementos representativos ou característicos na configuração eletrônica, apresentam os subníveis energéticos, “s” ou “p” como mais energéticos. O número de elétrons da camada de valência (última camada) indica a ordem numérica do grupo.

elementos de transição

O grupo B localiza-se na parte central da tabela ocupando dez colunas, inclusive as séries dos lantanídios e actinídios e são denominados de elementos de transição.

Os lantanídios e actinídios estendem-se ao longo da tabela, na parte inferior, e apresentam o subnível “f” como mais energético e são denominados particularmente de elementos de transição interna.

Os grupos 1B até 8B apresentam o subnível “d” como mais energético e são denominados de elementos de transição simples ou externa.

A ordem dos grupos 3B, 4B, 5B, 6B, 7B e 8B é dada pela soma dos elétrons da última camada com os elétrons do subnível “d” incompleto.


A ordem dos grupos 1B e 2B é dada pelo número de elétrons na camada de valência.

Os grupos 1B e 6B apresentam irregularidade na distribuição eletrônica para obterem maior estabilidade energética.

A terceira classificação que se observa na tabela periódica é a divisão da mesma em blocos s, p, d e f, tendo como critério o subnível mais energético da configuração eletrônica do elemento.

Link Relacionado:

Soldagem – Coleção tecnológica SENAI – 1ª ed. 1997

SHARE
RELATED POSTS
Elétron-volt
Frequência da onda sonora
Modelo de Thomson

Deixe seu comentário

*