Metalurgia

Fissuração a quente

Artigo escrito por Claudio L. Jacintho da Silva aluno da UENF, orientado pelo prof. PhD Ronaldo Paranhos.

As trincas a quente podem ser de escala microscópica, e não são detectadas pelas técnicas convencionais de inspeção, ou na maioria dos caos, em escala macroscópica  que apesar de desenvolver o mesmo mecanismo da fissuração microscópica,atingem dimensões muito maiores, constituindo-se em defeitos de solda pois comprometem sua qualidade.

 Veja os fatores que podem influenciar a formação de trincas a quente:

  • Segregação
  • Altas velocidades de soldagem
  • Tensões de soldagem
  • Espessura da chapa
  • Juntas Caracterizadas por alto grau de restrição 

Arquivo: Tamanho 0,29 MB em pdf – 5 páginas – 16 figuras 

Textos relacionados:

Conceito de chapa

Descontinuidades metalúrgicas

Soldabilidade

Energia de soldagem

Tensão residual de tração

Clique aqui e baixe o arquivo: Fissuração a quente

SHARE
RELATED POSTS
Tratamento Térmico em Juntas Soldadas
Estudo da influência do aporte térmico nas propriedades mecânicas no metal de base do aço AS150 através da soldagem pelo processo de solda MAG
Aços de Alta Liga Resistentes à Corrosão III

Deixe seu comentário

*