Metalurgia

Fissuração a quente

Artigo escrito por Claudio L. Jacintho da Silva aluno da UENF, orientado pelo prof. PhD Ronaldo Paranhos.

As trincas a quente podem ser de escala microscópica, e não são detectadas pelas técnicas convencionais de inspeção, ou na maioria dos caos, em escala macroscópica  que apesar de desenvolver o mesmo mecanismo da fissuração microscópica,atingem dimensões muito maiores, constituindo-se em defeitos de solda pois comprometem sua qualidade.

 Veja os fatores que podem influenciar a formação de trincas a quente:

  • Segregação
  • Altas velocidades de soldagem
  • Tensões de soldagem
  • Espessura da chapa
  • Juntas Caracterizadas por alto grau de restrição 

Arquivo: Tamanho 0,29 MB em pdf – 5 páginas – 16 figuras 

Textos relacionados:

Conceito de chapa

Descontinuidades metalúrgicas

Soldabilidade

Energia de soldagem

Tensão residual de tração

Clique aqui e baixe o arquivo: Fissuração a quente

SHARE
RELATED POSTS
Avaliacao de juntas soldadas de tanques de transformadores e reatores para garantia da qualidade no setor elétrico
PROCEDIMENTO DE PINTURA
Trincas: Causas e métodos de prevenção em aços estruturais soldados.

Deixe seu comentário

*